9 de dez de 2006

Jasmin



O céu está prateando
Com a luz da lua cheia nascente
Trazendo seu rastro branco
Em brumas leves e diáfanas
Que vão orvalhar o jasmin,
O doce jasmin que perfuma a noite
E que traz tua impressão, que vislumbro...

Te vejo cortando a cidade,
Ziguezagueando entre os carros e
Transpassando lagos, lagoas e pontes...
Perfurando túneis e saindo ileso
Para mais uma noite de repouso
Ate´a manhã chegar,
Com sua rotina ferrenha
Que te leva além túnel
Para mais longe de mim...

Mas o jasmin deixa em seu olor
A impressão da presença difusa
Que, mesmo distanciando-se,
Não deixa meu coração
Dormir vazio...
Esperando aconchegar
Teu corpo em mim
Numa sensação esperada, desejada
Que venha marcar indelevelmente
Teu ser, a tal ponto conectado a mim
Que teu sol só brilhe nos meus céus,
Que teu sangue só corra, desimpedido,
Em minhas veias saudáveis
E que farão teu coração remoçar
Na esperança de bater em sintonia
Com o meu, que distante,
Nunca esteve tão próximo...

Ah, deixa o jasmin transportar
Minha presença sobre as montanhas
Cruzando a cidade e me fazendo permanente
Na sala árida da tua rotina despótica...
Sinta o cheiro, doce e embriagador
Dos meus sonhos...
Que invadem os teus e que permeiam
A busca ansiosa das almas
Que se completam, no espaço
Que se comunicam, em ondas,
Que se fundem, na paixão!

+F

Um comentário:

Ana Lúcia disse...

De quem é esse texto tão lindo?!
Amei!
Mais beijos.